Tucumã Brasil - Plataforma de difusão cultural

2017

CONCURSO DE CANTIGAS DE CAPOEIRA

Leave a Comment
REGULAMENTO E NOÇÕES I - CONCURSO DE CANTIGAS DE CAPOEIRA
 
O Concurso de Cantigas de Capoeira será realizado no dia 17 de Novembro de 2012, as 18hs00 na cidade de Concórdia do Pará, como parte da programação do 5º FESTIVAL PARAENSE MUZENZA DE CAPOEIRA, com tema e ritmo livres.

1. INSRIÇÃO:

1.1 - Na inscrição deverão obrigatoriamente ser apresentadas, 03 (três) cópias da letra da cantiga, com o(s) nome (s) do(s) autor(es) e cantadores(s), expressamente assinada pelo autor.
1.2 - Cada participante poderá inscrever uma cantiga de sua autoria ou de outro autor, desde que comprove a autorização, e que não tenha sido gravada ou registrada anteriormente.
1.3 - Todas as cantigas inscritas serão apresentadas na etapa eliminatória por ordem de sorteio.
Parágrafo Primeiro: – Serão classificadas 03 (três) Cantigas e seus interpretes para a etapa final;
Parágrafo Segundo: – As cantigas classificadas na etapa de eliminação, deverão ser apresentadas da mesma forma na fase final sob pena de desclassificação.
1.4 - A ordem de apresentação de cada cantiga na etapa final será definida em sorteio no local do Concurso.
1.5 - Durante a apresentação, o cantador poderá utilizar os seguintes instrumentos da bateria: Berimbau, Atabaque ou Pandeiro.

2. DAS FASES:
2.1 – O Concurso será divido em duas fases:
A) Eliminatória e B) Final.

3. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:
3.1 - A Comissão Julgadora será composta exclusivamente por profissionais da área da Capoeira (Professores, Contra Mestres e Mestres) composta por 03 membros.
3.2 - Os jurados atribuirão notas de 5 a 10 para cada quesito, podendo ser fracionada em 0,5.
3.3 - As decisões do júri, em qualquer fase, são irrevogáveis e irrecorríveis, não cabendo recurso.
3.4 - Os critérios a serem utilizados para avaliação das cantigas e seus intérpretes serão:

A) Interpretação da cantiga: Será observado o estilo próprio, dicção e articulação vocal, dinâmicas, uso correto da voz (respiração, impostação, projeção);
B) Coerência da letra da cantiga: Os jurados avaliarão a coerência da letra da cantiga om o tema apresentado pelo participante, se há fundamento ou não;
C) Ritmo: Será avaliado o andamento da cantiga, o uso correto do instrumento com o ritmo e a cantiga.
3.5 - Em caso de empate na contagem final, será utilizado o seguinte critério, conforme ordem abaixo relacionada:
A) Maior número de pontos no critério Interpretação da cantiga;
B) Maior número de pontos no critério Coerência da letra da cantiga;
C) Maior número de pontos no critério Ritmo.
D) Persistindo empate, a decisão fica por conta dos jurados.

4. PREMIAÇÃO:
4.1 - As melhores cantigas serão premiadas com troféus, kit uniforme oficial para 1º e 2º lugar.
4.2 – Os vídeos e/ou áudios com as melhores cantigas serão enviadas ao Presidente do Grupo Muzenza, (Mestre Burguês) para avaliação, ficando a sua disposição para lançamento em CD, inclusive ter outro interprete/cantador indicado pelo Mestre Burguês.

5. DISPOSIÇÕES GERAIS:
5.1 - O uso do uniforme é obrigatório para a apresentação e que sejam cuidadosos na escolha das letras das cantigas de sua autoria ou não, de modo a evitar plágio, evitando possíveis constrangimentos.
5.2 - A Comissão Organizadora reserva-se, em caso de não observância do presente Regulamento, assim como no caso de perturbação da ordem em qualquer aspecto, o direito de excluir os responsáveis imediatamente, ficando os mesmos impossibilitados de prosseguir no Concurso e sem direito a qualquer tipo de classificação.
5.3 - Os casos omissos a este regulamento serão resolvidos pela Coordenação do Evento.

Antonio Sidney de O. Figueiredo
Monitor Passarinho – G. Muzenza
Organizador do Evento

NOÇÕES: A MÚSICA NA CAPOEIRA

Antigamente as cantigas serviam para disfarçar os treinos dos escravos nas senzalas, fazendo com que esses parecessem danças, enganando assim os seus senhores. Hoje em dia, as cantigas de capoeira têm por finalidade de dar ritmo ao jogo transmitindo energia na roda de capoeira.

Os cantos utilizados na capoeira são:

CHULA: É uma cantiga curta, normalmente feita de improviso que faz apresentação ou identificação. É entoada pelo cantador para fazer a abertura de sua composição. Normalmente faz uma louvação aos seus mestres às suas origens ou à cidade em que nasceu ou está no momento, pode ainda fazer culto a fatos históricos, lendas ou algum outro elemento cultural que diga respeito à roda de capoeira. É comum aos cantadores da roda usar a chula como introdução para as corridos e ladainhas e, durante a mesma é sugerido um refrão para o coro cantar.

CORRIDO: Como o próprio nome já sugere, é uma cantiga que "acelera" o ritmo e que se caracteriza pela junção do verso do cantador com as frases do refrão repetido pelo coro total ou parcialmente, dependendo do tempo que o cantador dá entre os versos que canta. O cantador faz versos curtos e simples que são à toda hora repetidos e o conjunto deles é usado como refrão pelo coro.

QUADRA: É o que o nome diz uma quadra. A quadra é uma estrofe curta de apenas quatro versos simples, cujo conteúdo pode variar de acordo com a criatividade do compositor que pode fazer brincadeiras com sotaque ou comportamento de algum companheiro de jogo, pode fazer advertências, falar de lendas, fatos históricos ou figuras importantes da capoeira.

LADAINHA: O conteúdo de uma ladainha corresponde a uma oração longa e desdobrada pelo cantador em versos entremeados pelo refrão repetido pelo coro. As ladainhas, exclusivas do jogo de Angola, são cantadas antes do início do jogo. Os participantes da roda devem ficar atentos ao cantador, pois na ladainha pode ser feito um desafio e, quando for dada a senha para o início do jogo qualquer um pode ser chamado neste desafio.

Fonte de Pesquisa: www.google.com.br

____________________________________________________

REGULAMENTO E NOÇÕES II - CONCURSO DE TOCADOR DE BERIMBAU

O Concurso de Toques de Berimbau será realizado no dia 17 de Novembro de 2012, as 15hs00 na cidade de Concórdia do Pará, como parte da programação do 5º FESTIVAL PARAENSE MUZENZA DE CAPOEIRA.

1. INSRIÇÃO:
1.1 - Na inscrição deverão obrigatoriamente ser apresentados os nomes dos toques inscritos na Fase Eliminatória.
1.2 - Cada tocador, obrigatoriamente inscreverão 08 (oito) toques de Berimbaus de autorias conhecidas.
1.3 - Todos os tocadores inscritos serão apresentados na etapa eliminatória por ordem de sorteio.
1.4 – Na fase eliminatória, cada tocador terá o tempo de 02 (dois) minutos para apresentação dos toques.
Parágrafo Único: – Cada tocador inscrito que apresentar no ato de inscrição seu próprio Berimbau, já entra no Concurso com 1,0 (um) ponto de vantagem.
1.5 - A ordem de apresentação de cada tocador na Etapa Final será definida em sorteio no local do Concurso.
1.6 – Os três tocadores finalistas farão um “Embate de Berimbaus” com toques livres (inclusive viradas) durante 03 (três) minutos, com tempo de 20 segundos para cada tocador.
1.7 - Durante a apresentação, o tocador poderá utilizar os instrumentos da Organização.

2. DAS FASES:
2.1 – O Concurso será divido em duas fases:
A) Eliminatória e B) Final.

3. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:
3.1 - A Comissão Julgadora será composta exclusivamente por profissionais da área da Capoeira (Professores, Contra Mestres e Mestres) composta por 03 membros.
3.2 - Os jurados atribuirão notas de 5 a 10 para cada quesito, podendo ser fracionada em 0,5.
3.3 - As decisões do júri, em qualquer fase, são irrevogáveis e irrecorríveis, não cabendo recurso.
3.4 - Os critérios a serem utilizados para avaliação dos tocadores serão:

A) Técnica: Será observado o estilo do tocador, dinâmicas e afinação do Berimbau;
B) Viradas: Os jurados avaliarão a entrada das viradas no toque;
C) Toques: Será avaliado o toque dentro de cada ritmo.

3.5 - Em caso de empate na contagem final, será utilizado o seguinte critério, conforme ordem abaixo relacionada:

A) Maior número de pontos no critério Técnica;
B) Maior número de pontos no critério Virada;
C) Maior número de pontos no critério Toques;
D) Persistindo empate, a decisão fica por conta dos jurados.

4. PREMIAÇÃO:
4.1 - Os melhores tocadores de Berimbau serão premiados com troféus, kit uniforme oficial para 1º e 2º lugar.

5. DISPOSIÇÕES GERAIS:
5.1 - O uso do uniforme é obrigatório para a apresentação.
5.2 - A Comissão Organizadora reserva-se, em caso de não observância do presente Regulamento, assim como no caso de perturbação da ordem em qualquer aspecto, o direito de excluir os responsáveis imediatamente, ficando os mesmos impossibilitados de prosseguir no Concurso e sem direito a qualquer tipo de classificação.
5.3 - Os casos omissos a este regulamento serão resolvidos pela Coordenação do Evento.

Antonio Sidney de O. Figueiredo
Monitor Passarinho – G. Muzenza
Organizador do Evento


NOÇÕES: TOQUES DE BERIMBAU

Os diferentes ritmos utilizados na capoeira, como tocados no berimbau, são conhecidos como toques.

Estes são alguns dos toques mais comumente utilizados:

Angola: É o toque para um jogo de dentro lento rasteiro, praticado com a mão no chão, chamado jogo de angola, onde o capoeirista mostra força e equilíbrio; é jogo solto de mandingueiro. Essa é a origem da capoeira.

São Bento Grande de Bimba: Este toque foi criado por Mestre Bimba. É chamado também de São Bento Grande da Regional. Toca-se ele com um berimbau médio, dois pandeiros de cada lado fazem parte da formação da bateria (a essa formação instrumental dá-se o nome de “charanga”). É um toque que transmite muita energia e exige dos capoeiras muita técnica e atenção.

São Bento Grande de Angola: Esse toque é utilizado no jogo de Angola, é tocado com o berimbau viola e fazendo repiques. Mas também há grupos de capoeira que usam o toque São Bento Grande de Angola para jogar “regional” um jogo rápido e de floreios.

São Bento Grande de Angola seria o mesmo que a capoeiragem do tempo dos escravos, apenas assim denominada e talvez com algumas odificações. Angola, como também é conhecida, é um jogo onde predominam rasteiras e cabeçadas. É um jogo lento e cheio de armadilhas. Geralmente costuma ser um jogo baixo, com bastantes movimentos próximos ao chão.

São Bento Grande: O toque de São Bento Grande corresponde ao toque do terceiro ritmo. Quando o gunga o toca, o berimbau médio executa o São Bento Pequeno e a viola toca o São Bento Grande. Nesse momento a luta é enfatizada no jogo, exigindo velocidade de reflexos.

São Bento Pequeno: São Bento Pequeno é um toque de berimbau cadenciado e lento. Ele é executado com duas batidas apenas com o apoio do dobrão sobre o aço, seguida rapidamente de uma terceira batida marcada pelo dobrão, uma batida no aço solto e um balanço do caxixi.

Iúna: O toque de Iúna (assim como os outros toques) não possui um criador identificado, (assim como não existe ‘um criador’ da capoeira, a qual é resultado de inúmeras experiências dos afro-brasileiros no tempo da escravidão), no entanto, alguns capoeiristas atribuem sua criação ao Mestre Bimba, onde ele servia para os alunos formados demonstrarem toda a sua habilidade. Dentre estas habilidades, podemos citar: saltos, piruetas, firulas, paradas-de-mão, etc.

Mestre Bimba costumava desenvolver neste ritmo a chamada “cintura-desprezada” ou “balões cinturados” que consistia em uma sequência de balões (movimentos em que um jogador é lançado para o alto e precisa cair em pé), geralmente exigido ao aluno graduado.

Cavalaria: Em capoeira, cavalaria é o toque de alerta máximo ao capoeirista. É usado para avisar o perigo no jogo, a violência e a discórdia na roda. Na época da escravidão, era usada para avisar aos negros capoeiras da chegada do feitor. Na República, quando a capoeira foi proibida, os capoeiristas usavam a “cavalaria” para avisar da chegada da polícia montada, ou seja, da cavalaria.

Samango: Toque onde a acústica da barriga é enfatizada. Era utilizado para mostrar que existia a aproximação de pessoas no local onde estava sendo executado e acompanhava a velocidade das passadas, aumentando com a aproximação.
No Brasil, principalmente no nordeste, diz-se do soldado raso, sem qualquer patente e/ou iniciante na polícia. Diz-se, ainda, daqueles que são bobalhados, sem malícia para brincadeiras pesadas e/ou maliciosas.

Santa Maria: Na capoeira, Santa Maria é o toque usado quando o jogador coloca a navalha no pé ou na mão. Um dos toques mais bonitos do berimbau, o tocador precisa desenvolver uma escala de notas e retornar ao começo da escala que da ao ritmo uma característica muito diferente dos demais toques da capoeira, em especial da capoeira regional.

Banguela: Banguela é o mais lento toque de capoeira regional, usado para acalmar os ânimos dos jogadores quando o combate aperta. É um jogo cadenciado.

Amazonas: Amazonas é o toque festivo usado para saudar mestres visitantes de outros lugares e seus respectivos alunos. É usado em batizados e encontros.

Idalina: Toque para jogo de navalha. (Revista Praticando Capoeira, ano I, n.º 03).

Regional de Bimba: Regional de Bimba é um estilo da Capoeira voltada para o combate. Criada pelo Mestre “Bimba”, dividiu a capoeira em dois estilos, sendo a outra a Capoeira de Angola, que até então era chamado de brincadeira dos angolas.
O que caracteriza a capoeira regional de Bimba, são as suas sequências de ensino de ataque, defesa e contra-ataque, com movimentos mais objetivos e eficientes, sem muitos floreios rasteiros, consiste em saltos e golpes aéreos.
O praticante de capoeira regional de Bimba ganha força, velocidade, elasticidade, ferocidade, reflexo e controle mais amplo dos movimentos.


ORGANIZAÇÃO: MONITOR PASSARINHO / PA
COORDENAÇÃO: MESTRE JOEL BOMBEIRO / PA
SUPERVISÃO: MESTRE BURGUÊS / RJ